Lançada primeira distro 64-bit para Raspberry Pi 3

Como já havíamos comentado aqui em Agosto sobre placas alternativas às Raspberry Pi já rodando sistemas 64-bit enquanto a RPi apesar de já possuir uma placa com processador de 64-bit, a Raspberry Pi 3 com seu SoC Broadcom BCM2837 @1.2GHz, permanecia com somente sistemas 32-bit e ainda não possuía qualquer distribuição estável de 64-bit, ou seja, os sistemas disponíveis não conseguiam aproveitar 100% do potencial da nova placa.

Imagem: Adobe.com

Mas aqui a longa espera termina, finalmente foi lançada a primeira distribuição 64-bit para a Raspberry Pi 3.

No final de Novembro, a SUSE e a Raspberry Pi Foundation anunciaram que a SUSE Linux Enterprise Server (SLES) seria a primeira distribuição 64-bit para o processador quad-core, baseado no Cortex-A53, da RPi 3, suportando instruções ARM A64 e arquitetura ARMv8-A.

A distribuição

Como o lançamento vem do fornecedor comercial SUSE e não do projeto patrocinado pela comunidade, o OpenSUSE, o download do lançamento exige a aceitação de um contrato de assinatura gratuita de um ano. Não há garantia de que a distro será atualizada gratuitamente depois disso, mas é possível que a SUSE simplesmente estenda o contrato gratuito. No entanto, há também uma imagem de 64 bits OpenSUSE para a RPi 3 que parece estar em beta, e não parece ter sido abençoado pela Raspberry Pi Foundation. Uma imagem minimalista de 32 bits está em versão beta para a Raspberry Pi desde 2012.

Case SUSE/ARM para a Raspberry Pi 3, distribuído pela SUSE e ARM na conferência SUSEcon.

Recursos

Os recursos disponibilizados pela SLES para Raspberry Pi incluem:

  • Compatível com os métodos E/S embutidos, incluindo WiFi, Bluetooth, HDMI, Ethernet e GPIO
  • Inicializa uma interface gráfica de usuário fácil de usar
  • Usa o sistema de arquivos btrfs para administração simplificada
  • Inclui o GCC e ferramentas de desenvolvimento populares
  • Distribuição em forma de imagem que está pronta para ser copiada para um cartão SD
  • Assinatura gratuita de um ano de autoatendimento para atualizações e correções
  • Nenhum suporte comercial por enquanto, mas um fórum está disponível para suporte técnico.
  • Requer cartão SD 8GB, Teclado/Mouse USB, Cabo HDMI, Monitor, fonte de alimentação de 2.5A ou mais.

O sistema

“Adaptações especiais” foram necessárias para ser possível rodar a SLES na RPi 3, essas incluíam uma maneira de usar o uboot para fornecer um ambiente de inicialização EFI, bem como adaptações e correções para fazer funcionar WiFi e Bluetooth, disse a SUSE. “Como houve vários aprimoramentos de ARM nos níveis mais recentes de GCC, você deve usar GCC-6 em vez de GCC para compilar programas”, complementaram. No entanto, nem todos os recursos do SLES estão habilitados, entre eles o suporte ao Docker.

Além disso, “Nós escolhemos usar o Gerenciador de Janelas do ICE como o padrão para a Pi devido aos recursos de memória um pouco limitados na Pi”, diz o blog do SUSE. Será interessante ver como SLES para a Raspberry Pi 3 executa com apenas 1GB de RAM. Uma versão da Raspberry Pi 3 com 2GB, que muitos acreditam ser um requisito para alcançar a maioria dos benefícios de desempenho com 64-bit parece requerer melhorias no Broadcom BCM2837 SoC e na GPU VideoCore IV, o que basicamente representaria alterações no projeto que levariam mais para uma nova placa do que simplesmente uma RPi 3 melhorada.

Além da Canonical, representada pela distros Ubuntu e Fedora, outros projetos de distribuições também vem trabalhando para disponibilizarem versões 64-bit para RPi  3, incluindo Arch Linux, e também há imagem do Gentoo Linux disponível porém essa última “continua instável e não recomendada.” A Raspberry Pi Foundation não anunciou qualquer plano de atualizar sua distro oficial, a Raspbian, apesar de que, em fevereiro, ao anunciar a RPi 3, disseram que “considerariam” tal mudança.

Mais informações você encontra em Introduction to SUSE Linux Enterprise Server for the Raspberry Pi, o download pode ser feito aqui: SUSE Linux Enterprise Server for Raspberry Pi

0

Graduando em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de São João del Rei (UFSJ) também é Técnico em Eletrotécnica pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG). Apaixonado por criação e desenvolvimento de projetos relacionados à software e hardware.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *